sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Moving Pictures no Rock Band

A Harmonix, produtora do jogo Rock Band, anunciou que o disco Moving Pictures, da Santíssima Trindade, estará disponível para download a partir da semana que vem no PS3 e naquele-console-cujo-nome-não-posso-falar-e-que-o-Zé-Guiga-escreve-a-respeito.
A parte interessante é que para Tom Sawyer e Limelight serão utilizadas as master tapes originais do grupo, lá de 1981. Todas as outras faixas serão covers recriados pelo pessoal da Harmonix. Considerando que YYZ já tinha aparecido no Guitar Hero 2 (feito pela mesma empresa) e ficou muito bem montada, tenho fortes esperanças de que as demais músicas também vão arrebentar.
Além das 4 grandes (Tom Sawyer, Red Barchetta, YYZ e Limelight), o disco ainda conta com The Camera Eye, Witch Hunt e Vital Signs.
Para os desavisados, The Camera Eye talvez tenha sido o último grande épico da banda. São quase 11 minutos de rock progressivo de altíssima qualidade. De lá pra cá, nenhuma música do grupo ultrapassou os dez minutos. A saber: nos discos anteriores, era bem comum pelo menos uma faixa superar essa marca. No Permanent Waves (1980), por pouco Natural Science não chega lá (9:17). No Hemispheres (1978) quase foi uma dobradinha. A faixa-título tem 18:08 e La Villa Strangiato tem 9:36. Aliás, eu costumava medir o tempo de deslocamento de casa para a UnB (e para a GameOver) como "uma Lavilla". No disco Farewell to Kings (1977) temos Xanadu com 11:12 e Cygnus X-1 com 10:26. No 2112 (1976) temos a faixa-título com 20:39. Voltando mais um disco e chegando ao Caress of Steel (1975), The Necromancer (12:32) e The Fountain of Lamneth (20:00). Ufa! E pensar que tudo isso começou no Fly by Night (1975) em By-Tor and the Snow Dog, com 8:39. E viva o prog!
Mas sim, fui fazer a listagem e me embananei todo. The Camera Eye é um musicaço. Quem estiver com ela aí, escute o solo de guitarra que começa por volta dos 9:13, um dos melhores do Lifeson em todos os tempos.
Witch Hunt é uma música interessante, com um clima bem sombrio e um bom riff. Vital Signs parece muito com o trabalho do The Police, especialmente no estilo das guitarras. Ainda são músicas boas, mas não tão fortes quanto as 5 primeiras faixas do disco.
É isso aí, viva o Rush e os videogames, abraços!

2 comentários:

X X X X disse...

O Poder Divino está em toda parte - inclusive nos melhores videogames!!!

Rejubilemo-nos, pois! YYZ para todos ad eternum!

Anônimo disse...

Como é esse jogo, Rock Game?
Faz um tópico sobre ele aí!!!
Abs!